sábado, 26 de Novembro de 2011

Fronteiras: Lamadarcos/Vilarello da Cota

Uma das fronteiras menos conhecidas do Alto Tâmega é talvez a existente entre Lamadarcos e a aldeia galega de Vilarello da Cota, que faz parte do concelho de Vilardevós. Este ponto da fronteira é pouco conhecido porque a ligação entre as duas localidades faz-se por meio de um caminho de terra batida com muitos seixos que, se bem é acessível para qualquer tipo de carro, o mais certo será ter de dar um jeitinho no centro de lavagem mais próximo de modo a tirar a poeira levantada com a nossa passagem, deixando a parte da mala do carro completamente branca.

O acesso é relativamente fácil se partirmos de Vilarello da Cota pela estrada OU-1006 que liga a aldeia à capital do concelho e à vizinha localidade de Feces de Cima, que possui também uma ligação local com Lamadarcos. Numa curva bastante fechada encontramos à esquerda um caminho que parece mais o clássico caminho que vai para os lameiros ou os matagais da região, já que se o viajante não é avisado, não dá por ele tratar-se de um caminho fronteiriço em que a fronteira fica mesmo a uns metros da estrada. 

O interesse desta fronteira, para além do facto de ser muito desconhecida, radica nas suas paisagens em que descemos aos poucos, em suave descida, das altas serras do alto de Mairos até o centro do Vale do Tâmega, chegando até as primeiras casas da localidade de Lamadarcos, da qual já falámos neste blogue como sendo um dos «povos promíscuos» que depois dos trabalhos da Comissão Luso-espanhola formada aos efeitos como consequência do Tratado de Limites de Lisboa de 1864, passou na íntegra a pertencer a Portugal em troca do Couto Misto, que foi integrado na Galiza. Das três aldeias promíscuas, Lamadarcos era e ainda é a maior de todas em população até ao ponto de possuir duas igrejas que eram as igrejas matrizes da parte galega e da parte portuguesa, em contraste com as aldeias de Cambedo da Raia e Soutelinho da Raia, mais isoladas e com menos população.

Da lembrança dessa «promiscuidade» dá conta o estudo de Maria José de Moura Santo intitulado «Os falares fronteiriços de Trás-os-Montes», na separata da Revista Portuguesa de Filologia, publicada em 1966 num total de 452 páginas. As misturas existentes entre o galego e o português são evidentes, mas também não resultam estranhas de tudo até porque ambas as duas línguas fazem parte do mesmo diassistema linguístico. Por isso as múltiplas interacções entre ambas são frequentes nestas aldeias raianas.

Definitivamente, mais um pretexto para dar um pulinho até estas terras da Raia, talvez num dos pontos mais permeáveis da mesma pela facilidade nas comunicações e as intensas relações entre ambos os dois lados da fronteira a causa do comércio local, o contrabando, que foi uma actividade tradicional quando ainda existiam fronteiras fiscalizadas pelo posto de Vila Verde da Raia e Feces de Abaixo mas que parece voltar a ressurgir nestes tempos de crise com o contrabando de carburante ou de tabaco chinês que chega a ser vendido até dois euros mais barato do que o tabaco normal comprado na tabacaria. Enfim, tempos em que a necessidade aguça a imaginação das pessoas para tentar ganhar mais uns trocos, mas nem sempre enveredando pelos caminhos certos...




 Foto 1. Limite fronteiriço com Portugal visto da Galiza.
 Foto 2. Marco fronteiriço.
 Foto 3. Marco fronteiriço e limite com a Galiza visto do lado português.
 Foto 4. Vista das serras do concelho de Vilardevós com a aldeia de Vilar de Cervos ao fundo.
 Foto 5. Vista da aldeia de Feces de Cima do limite fronteiriço entre giestas e estevas.
 Foto 6. Vista das lombas em suave descida do alto de Mairos na direcção de Lamadarcos.
 Foto 7. Vilarello da Cota visto da estrada de Mairos.
 Foto 8. Vista do vale do Tâmega com a auto-estrada A24 e A-75 no fundo do vale perto de Vilarello.


Mapa 1. Mapa de situação.

terça-feira, 22 de Novembro de 2011

Frunteiras: Custantin/Moberos (Nuossa Senhora de la Luç)

 Ye bien sabido que la lhigaçon antre Miranda (de l Douro) i Bergáncia pula EN218 nin siempre resulta a melhor oupçon para chegar a la capital de l çtrito. Por esso, muitos habitantes de la region questuman aprobeitar l bun stado de l'estrada spanhola N-122 que teoricamente deberá ser sustituída pula outo-strada A-11 nun feturo que bai depender de la duraçon de la crise eiquenómica, mas qu'an parte permite hoije eibitar l tránsito pula cidade de Çamora depuis de tener abierto la bariante norte a la cidade que lhieba a outo-strada a 5 Km. a la jusante.

La salida natural pa ls habitantes de l cunceilho de Miranda ye la frunteira antre Custantin i Moberos, adonde queda la capielha de Nuossa Senhora de la Luç, situada mesmo ne l lhemite frunteiriço. Esto porque até hai pouco tiempo la frunteira antre Anfainç i Brandilanes, mais próssima, staba nun stado lhamentable, sendo que neste anho, antes de l Berano, las obras de la strada de la frunteira éran oubjeto dua beneficiaçon que pedie a gritos. 

La frunteira de la Luç ye ua frunteira mui permeable porque stá situada nun alto mas de nun defícel passaige. Se Moberos i Custantin stan situados a uas altitudes qu'oscilan antre ls 800-810 m., l lhemite frunteiriço queda a pouco mais de 880 m, sendo mais «egre» la chubida (ó çcida) para Moberos de l que para Custantin. Al lhado queda la capielha de Nuossa Senhora de la Luç qu'atinge ls 899 m. l que la cumberte nun miradouro prebilegiado de l Praino Mirandés i de la region de Aleste, cun quien partilha bastantes afenidades. Nun debemos squecer, cumo yá fui dezido nalguma ocasion, qu'esta region pertenceu la Pertual i fui un arcediagado de l'arquidiocese de Braga que recuperou la region an 1103 pula bula de l papa Pascoal II qu'oubrigaba a la diocese de Astorga a restituir las tierras de Lhedra, Bergantie i Aleste, que tenien sido oubjeto dua usurpaçon an 969 aprobeitando l fato de la diocese bracarense nun tener sido restourada passado l'ambason muçulmana, tenendo quedado an manos de la diocese de Lhugo, que nun querie lhargar l prebilégio de ser sede metropolitana de Lhugo-Braga i que solo tardiamente, cul Bispo D. Pedro, finalmente fui restourada an 1071 por eniciatiba de l rei de la Galiza, Garcia II (se bien alguns storiadores cunsidran que fui l rei Sancho III de Castielha, que pretendia restourar l reino de sou pai Fernando I l Magno, reconquistador de Lhamego i Biseu an 1055 i 1056 i de Coimbra an 1064), rei qu'acabou cegado pul sou armano Sancho i morriu ne l'anho de 1091 cumpletamente ciego ne l castielho de Lhuna, ne l norte de l'atual porbíncia de Lhion, ne l camino pa las Astúrias.

Depuis destes apuntamientos stóricos, amporta salientar l fato de la Luç tener sido un punto d'ancuontro antre strasmuntanos i alistanos sendo que la capielha questuma ser oubjeto de peregrinaçon l radadeiro demingo de l més de Abril, se bien astanho la causa dues fiestas de la Páscoa tardies fui ne l segundo demingo de Maio. Passado a missa, ls bejitantes çfrutan dun cumbíbio adonde las frunteiras son ultrapassadas pula cordialidade de las relaçones i até l'amisade antre ls habitantes dun i de l'outro lhado de la frunteira. San tiempos d'alegrie an que la Primabera yá bai abançando i mostra-se propícia pa ls clássicos pique-niques al aire lhibre.

L'alto de la Luç custitui un ótimo miradouro antre ambas las dues tierras, tenendo la sue cuntinaçon por serras que, ourientadas a la Oeste, questuman custituir l lhemite frunteiriço mas nin siempre, sin qu'essas eilebaçones puodan defenir-se cumo un berdadeiro entrabe a las quemunicaçones cumo acuntece noutras partes de la Raia. Essa relatibamente eilebada altitude faç que la begetaçon, que na region de Aleste stá formada por matagales d'urze, scobas, tojos i xaras situados antre penedos rochosos de granito i zonas de predomínio d'alguas speces mediterránicas cumo a carrasco, l que fizo l território tener-se specializado na pecuária de bitela de raça alistana i la canhona pa la porduçon de queiso, seia sustituída als poucos por ua flora de trasiçon adonde nun falta l carbalho negral i soutos de castanheiros i fetos, qu'andician un clima mais húmido an que se misturan speces atlánticas, mediterránicas i de trasiçon. Cumo cuntreste, l Praino Mirandés carateriza-se por uns tierras mais férteis que permiten la cultura de l cereal, ls lhameiros i la pecuária de la bitela de raça mirandesa, adonde l çtaque bai pa la sue famosa posta, l'ex-libris de la region.

La permeabelidade de la frunteira fizo cun que de l lhado pertués, la montante de la capielha de la Luç, fússen situadas ua spece de guaritas a modo de sentinelas pa la bigiláncia dua frunteira adonde l cuntrabando era moeda de troca corriente dun i de l'outro lhado. Hoije, abandonadas, son testemunhas mudas de tiempos passados i miradouros prebilegiados dua paisaige que se stende até perder-se ne l'hourizonte. Ye, sin dúbeda, ua frunteira de passaige oubrigatória para quien aprecie la Raia ne l sou to.

 Foto 1. Frunteira pertuesa bista de l lhado spanhol.
  Foto 2. Frunteira spanhola bista de l lhado pertués.
 Foto 3. Marco frunteiriço situado antre la strada i la capielha de Nuossa Senhora de la Luç.
Foto 4. Bista, de l punto frunteiriço, de las tierras de Aleste cula Sierra de la Culebra al fondo a la dreita i las serras de Sanàbria ne l fondo (centro de a retrato).
 Foto 5. Capielha de Nuossa Senhora de la Luç i sagrado (bista lhateral squierda).
 Foto 6. Capielha de Nuossa Senhora de la Luç bista de l lateral dreito.
Foto 7. Marco frunteiriço situado la montante de la capielha donde ye possible apreciar l praino sin defrenciar antre l Praino Mirandés i las tierras de Aleste.
  Foto 8. Praino Mirandés bisto de la Luç, cula aldé de Anfainç al fondo.
Foto 9. Praino Mirandés bisto de la Luç na direçon de Custantin, Póboa, Speciosa, Zenízio i Malhadas.
 Foto 10. Puosto de bigiláncia de l lado pertués i andicaçon de l punto mais alto (899 m.).
 Foto 11. Tierras de Aleste bistas al sopé de l puosto de bigiláncia.
 Foto 12. Serras frunteiriças na direçon de Custantin, Cicuiro i Samartino de Angueira.

Mapa 1. Mapa de situaçon.

P. S. L testo ye ua traduçon outomática pul que ye passible de cunter erros.

segunda-feira, 21 de Novembro de 2011

Fronteiras: Constantim/Moveros (Nossa Senhora da Luz)

 É bem sabido que a ligação entre Miranda (do Douro) e Bragança pela EN218 nem sempre resulta a melhor opção para chegar à capital do distrito. Por isso, muitos habitantes da região costumam aproveitar o bom estado da estrada espanhola N-122 que teoricamente deverá ser substituída pela auto-estrada A-11 num futuro que vai depender da duração da crise económica, mas que em parte permite hoje evitar o trânsito pela cidade de Zamora depois de ter aberto a variante norte à cidade que leva a auto-estrada a 5 km. à jusante. 

A saída natural para os habitantes do concelho de Miranda é a fronteira entre Constantim e Moveros, onde fica a capela de Nossa Senhora da Luz, situada mesmo no limite fronteiriço. Isto porque até há pouco tempo a fronteira entre Ifanes e Brandilanes, mais próxima, estava num estado lamentável, sendo que neste ano, antes do Verão, as obras da estrada da fronteira eram objecto de uma beneficiação que pedia a gritos. 

 A fronteira da Luz é uma fronteira muito permeável porque está situada num alto mas de não difícil passagem. Se Moveros e Constantim estão situados a umas altitudes que oscilam entre os 800-810 m., o limite fronteiriço fica a pouco mais de 880 m, sendo mais «íngreme» a subida (ou descida) para Moveros do que para Constantim. Ao lado fica a capela de Nossa Senhora da Luz que atinge os 899 m. o que a converte num miradouro privilegiado do Planalto Mirandês e da região de Aliste, com quem partilha bastantes afinidades. Não devemos esquecer, como já foi dito nalguma ocasião, que esta região pertenceu a Portugal e foi um arcediagado da arquidiocese de Braga que recuperou a região em 1103 pela bula do papa Pascoal II que obrigava à diocese de Astorga a restituir as terras de Ledra, Vergantia e Aliste, que tinham sido objecto de uma usurpação em 969 aproveitando o facto de a diocese bracarense não ter sido restaurada após a invasão muçulmana, tendo ficado em mãos da diocese de Lugo, que não queria largar o privilégio de ser sede metropolitana de Lugo-Braga e que só tardiamente, com o Bispo D. Pedro, finalmente foi restaurada em 1071 por iniciativa do rei da Galiza, Garcia II (se bem alguns historiadores consideram que foi o rei Sancho III de Castela, que pretendia restaurar o reino de seu pai Fernando I o Magno, reconquistador de Lamego e Viseu em 1055 e 1056 e de Coimbra em 1064), rei que acabou cegado pelo seu irmão Sancho e morreu no ano de 1091 completamente cego no castelo de Luna, no norte da actual província de Leão, no caminho para as Astúrias.

Depois destes apontamentos históricos, importa salientar o facto de a Luz ter sido um ponto de encontro entre transmontanos e alistanos sendo que a capela costuma ser objecto de peregrinação o último domingo do mês de Abril, se bem este ano a causa de umas festas da Páscoa tardias foi no segundo domingo de Maio. Após a missa, os visitantes desfrutam de um convívio onde as fronteiras são ultrapassadas pela cordialidade das relações e até a amizade entre os habitantes de um e do outro lado da fronteira. São tempos de alegria em que a Primavera já vai avançando e mostra-se propícia para os clássicos pique-niques ao ar livre.

O alto da Luz constitui um óptimo miradouro entre ambas as duas terras, tendo a sua continuação por serras que, orientadas à Oeste, costumam constituir o limite fronteiriço mas nem sempre, sem que essas elevações possam definir-se como um verdadeiro entrave às comunicações como acontece noutras partes da Raia. Essa relativamente elevada altitude faz que a vegetação, que na região de Aliste está formada por matagais de urze, giestas, tojos e estevas situados entre penedos rochosos de granito e zonas de predomínio de algumas espécies mediterrânicas como a azinheira, o que fez o território ter-se especializado na pecuária de vitela de raça alistana e a ovelha para a produção de queijo, seja substituída aos poucos por uma flora de transição onde não falta o carvalho negral e soutos de castanheiros e fetos, que indiciam um clima mais húmido em que se misturam espécies atlânticas, mediterrânicas e de transição. Como contraste, o Planalto Mirandês caracteriza-se por uns solos mais férteis que permitem a cultura do cereal, os lameiros e a pecuária da vitela de raça mirandesa, onde o destaque vai para a sua famosa posta, o ex-libris da região.

A permeabilidade da fronteira fez com que do lado português, a montante da capela da Luz, fossem situadas uma espécie de guaritas a modo de sentinelas para a vigilância de uma fronteira onde o contrabando era moeda de troca corrente de um e do outro lado. Hoje, abandonadas, são testemunhas mudas de tempos passados e miradouros privilegiados de uma paisagem que se estende até perder-se no horizonte. É, sem dúvida, uma fronteira de passagem obrigatória para quem aprecia a Raia no seu todo.

 Foto 1. Fronteira portuguesa vista do lado espanhol.
 Foto 2. Fronteira espanhola vista do lado português.
 Foto 3. Marco fronteiriço situado entre a estrada e a capela de Nossa Senhora da Luz.
Foto 4. Vista, do ponto fronteiriço, das terras de Aliste com a Sierra de la Culebra ao fundo à direita e as serras de Sanàbria no fundo (centro da fotografia).
 Foto 5. Capela de Nossa Senhora da Luz e adro (vista lateral esquerda).
Foto 6. Capela de Nossa Senhora da Luz vista do lateral direito.
Foto 7. Marco fronteiriço situado a montante da capela donde é possível apreciar o planalto sem diferenciar entre o Planalto Mirandês e as terras de Aliste.
 Foto 8. Planalto Mirandês visto da Luz, com a aldeia de Ifanes ao fundo.
Foto 9. Planalto Mirandês visto da Luz na direcção de Constantim, Póvoa, Especiosa, Genísio e Malhadas.
 Foto 10. Posto de vigilância do lado português e indicação do ponto mais alto (899 m.).
 Foto 11. Terras de Aliste vistas ao sopé do posto de vigilância.
Foto 12. Serras fronteiriças na direcção de Constantim, Cicouro e S. Martinho de Angueira.

Mapa 1. Mapa de situação.

P.S. Por razões de espaço não é publicada aqui a sua versão em mirandês, mas sim num novo 'post', pois o autor deste blogue esta firmemente comprometido com a defesa do património cultural e linguístico, sendo sensível sobretudo à situação das línguas minoritárias e menorizadas. O mirandês, como segunda língua oficial no nosso país não pode ser posta de lado.

segunda-feira, 14 de Novembro de 2011

Localidades raianas: A Xironda

Se há poucos dias falávamos de Vilar de Perdizes, hoje vamos fazer o mesmo com A Xironda (ou Gironda), aldeia galega pertencente ao concelho de Cualedro. Situada também perto da Serra do Larouco, a aldeia localiza-se numa espécie de planalto que desce suavemente para o vale do Tâmega, bacia da qual faz parte.

A aldeia é mais pequena em extensão e em população, contando com uns 350 habitantes e com boas ligações para o resto do concelho e para as aldeias barrosãs de Vilar de Perdizes e Santo André. O casario apresenta-se mais modificado do que em Vilar de Perdizes, pelo que para encontrar casas tradicionais temos de procurar pelo centro da aldeia normalmente intercaladas entre construções modernas e por vezes abandonadas, encerradas ou servindo como currais para guardar lá o gado o como garagens e armazéns. Como nas citadas aldeias, a agricultura e pecuária ainda é a actividade económica principal, seguida dos serviços básicos (comércio, hotelaria, serviços de saúde, etc.). É interessante destacar o facto de que nalgumas casas ainda se conserva o cultivo da oliveira, o que de resto, resulta excepcional na Galiza, mas não assim nas aldeias portuguesas da fronteira. Isto mostra que esta cultura deveu estar mais estendida nesta região galega em tempos, sendo que hoje encontra-se em franco declínio e a sua conservação pode ser devida à influência portuguesa, sempre presente, ou como amostra do último rescaldo de uma actividade hoje quase extinta.

A localidade conta com uma bela igreja matriz em honra de S. Salvador, de factura barroca, em granito, que não se diferencia muito das igrejas paroquiais portuguesas vizinhas, talvez porque aqui, a Raia é, sem dúvida, mais difusa do que noutros lugares, pelo que podemos encontrar traços de transição de um e do outro lado da fronteira nestas aldeias arraianas. Se Vilar de Perdizes apresentava elementos que lembram a Galiza, não admira que A Xironda apresente características semelhantes às aldeias portuguesas vizinhas.

A casa tradicional, parecida em forma com as casas que podemos encontrar em Vilar de Perdizes, costuma ser construída em pedra de granito, com blocos irregulares, existindo ainda a casa moderna com lajes de granito que cobre essencialmente uma casa feita de tijolos na qual aparecem as típicas linhas pintadas em branco (ou preto, nalguns casos) a delimitar cada laje. O forno comunitário é outro dos elementos mais característicos da sua arquitectura popular, com lajes de pedra e contrafortes. 

Para além da igreja matriz, na arquitectura religiosa encontramos a Capela de S. Ciriaco, do século XVIII, também em pedra de granito com presbitério e cruz de pedra. Uma mistura da arquitectura religiosa e popular é o chamado «peto de ánimas», um nicho no qual repousa uma imagem em pedra de Nossa Senhora do Carmo com duas almas na parte inferior e com um bispo e o papa contornando a imagem a ambos os dois lados, cobertos pelas chamas do fogo do purgatório. 

Na estrada para Santo André, em plena fronteira, pode visitar-se ainda a vila romana de Grou, situada já ao sopé da Serra do Larouco, mesmo onde acaba o planalto que se estende por esta região fronteiriça.

 Desta aldeia destacam como tradições populares o tradicional magusto (em galego magosto) das castanhas e as «mázcaras» do Entrudo, conhecido em galego como Entroido. Trata-se de máscaras muito coloridas, de forte sabor pagão, como são, aliás, todas as celebrações relacionadas com o Carnaval e que apresentam muitas semelhanças com as de Cualedro, Verín, Laza ou Xinzo de Limia mas com as suas características particulares de cada localidade e que recebem respectivamente os nomes de zarramanculleiros, cigarróns, peliqueiros e pantallas.

Da sua gastronomia importa referir a batata, que tem destaque na economia local, já que o concelho está abrangido pela Denominação de Origem Controlada da batata da Límia, de excelente sabor e óptima para cozer e acompanhar nos pratos mais importantes da gastronomia galega, recebendo estas patacas cozidas o nome de cachelos e caracterizadas por ser firmes e com pouco farelo, pelo que não se desfazem na cozedura. A videira também está presente nos vinhos de Monterrei, que abrangem todo o vale do Tâmega galego com principalmente vinhos brancos com algumas casta portuguesas como é a Trajadura (treixadura em galego) ou Dona Branca e tintos com castas como a Bastardo, também própria dos vinhos da região de Chaves. Quem desejar experimentar a gastronomia da região pode fazê-lo nalguma tasca do concelho. Não deve deixar de provar os clássicos pratos galegos como o caldo galego, o pote galego (com batata, feijão, couve galega e orelha de porco) ou, é claro, o polvo à feira (com ou sem cachelos).

Razões mais do que suficientes para dar uma voltinha por estes lados.
 Foto 1. Igreja matriz.
 Foto 2. Lateral direito da igreja.
 Foto 3. A aldeia vista do adro da igreja.
 Foto 4. Lateral esquerdo da igreja.
 Foto 5. Casas tradicionais vistas da cabeceira da igreja e panorâmica do planalto.
 Foto 6. Casas tradicionais situadas perto da igreja matriz.
 Foto 7. Capela de S. Ciriaco.
 Foto 8. Esplanada da capela com vistas para a aldeia e a igreja matriz.
 Foto 9. Mais casas tradicionais no centro da aldeia.
Foto 10. Outras formas de arquitectura popular.



Ver A Xironda (aldeias raianas) num mapa maior
Mapa 1. Mapa de situação.

P. S. É como é o nosso costume, damos as boas-vindas à nossa nova seguidora ecguelman, sendo assim o seguidor número 38. Esperamos não defraudar aos nossos leitores!

quarta-feira, 9 de Novembro de 2011

Localidades raianas: Vilar de Perdizes

A Leste do concelho de Montalegre, em pleno planalto barrosão, encontramos a aldeia de Vilar de Perdizes. Esta aldeia raiana fica perto da Serra do Larouco, que faz de limite com a Galiza, mas por contraste com a maior parte das aldeias do município barrosão, não faz parte da bacia do Cávado, mas sim do Douro, mais exactamente do Tâmega, sendo que alguns dos seus afluentes nascem nestas terras.

 Do ponto de vista geográfico, limita a Norte e a Leste com a Galiza, com quem está ligada por intermédio da estrada da Xironda (ou Gironda, em português e em galego reintegracionista). A Sul limita com Meixide, também sede de freguesia, e a Oeste com Santo André, que também possui a sua ligação com a Xironda, sendo que é possível fazer um circuito completo entre estas três aldeias. Por estar situada nesta parte do planalto barrosão, a aldeia encontra-se num pequeno declive iniciado mesmo no ponto em que se rompe o planalto para dar lugar depois a encostas nas que discorrem o rio Porto de Rei e o rio Assureira que se juntam já no concelho galego de Oimbra, antes de desaguar no Tâmega.

A aldeia resulta interessante pelas suas características. Com pouco mais de 500 habitantes consegue, no entanto, parecer bem maior pelo facto de na realidade estar formada por três bairros que no seu tempo eram aldeias próximas mas separadas umas das outras, mas agora, como resultado das novas construções, esse facto é muito mais difuso. Esses bairros ainda formam parte da realidade da aldeia pelo que encontramos o bairro de Sameiro à Norte, Cimo da Vila à Sul e Caria no meio, sendo que fazia parte da chamada Honra de Vilar de Perdizes, que contava com mais de 1 000 habitantes no início do século XIX e abrangia esta aldeia e as vizinhas de Santo André e Solveira.

A sua História, no entanto, remonta-se a tempos pré-históricos, já que contamos com restos de gravuras rupestres nas Pegadas da Burrinha da Nossa Senhora e no Penedo de Caparinho e ainda uns lagares rupestres em Santa Marinha. Da época romana são as inscrições do Altar de Penascrita e do Penedo de Rameseiros. Na Idade Média formou parte do Couto de Ervededo, sendo que em tempos, metade da aldeia pertenceu à Galiza e a outra a Portugal, acabando finalmente por passar por inteiro para o domínio português no marco das lutas entre a diocese de Braga e a diocese de Ourense pelo território de Baronceli

O seu carácter arraiano constata-se no casario tradicional e até na igreja matriz, em honra de S. Miguel. A factura da igreja é claramente portuguesa, mas o remate da igreja, em forma de pequena cúpula, remete-nos para o barroco de tipo galaico, que seguia o estilo da fachada barroca da Sé de Santiago, do século XVIII. A casa tradicional, como não podia ser de outra forma, costuma ser construída em pedra de granito, tendo algumas essa influência galaica da que falávamos, como é o caso de pintar os bordes dos blocos de pedra com que estão construídas. Consta ainda de um Paço, esse com um forte carácter português, que tinha várias dependências e até capela própria, o que da conta da importância económica da família proprietária, sendo que o solar foi berço de filhos d'algo, e junto do qual floresceram o Hospital e a Capela de Santa Cruz, destinados a prestar apoio físico e espiritual aos peregrinos de Santiago de Compostela e do Cristo de Ourense que por ali passavam, vindos dos lados de Chaves, Alto Douro, Beiras e Castela.

A aldeia consta de vários cafés e restaurantes e até alojamento de tipo rural, mas, sem dúvida, o que singulariza esta aldeia de outras é a celebração anual do Congresso de Medicina Popular impulsionado pelo padre Fontes e que teve em 2011 a sua 25ª edição, não sendo isento de alguma polémica por tratarem-se nele questões relacionadas não apenas com chás e plantas medicinais, mas também de tópicos que têm a ver com bruxaria, mau-olhado e outras práticas que o mundo científico costuma olhar com muito receio quando não com negatividade.

Seja como for, a aldeia pode ser o ponto de partida para caminhadas e visitas a aldeias vizinhas, quer do Barroso, quer da Galiza não podendo faltar, é claro, um bom almoço com posta de vitela barrosã, de fazer água na boca. E se a visita for no Verão, na estrada para a Xironda existe um pequeno parque de merendas na beira do rio Porto de Rei onde existe um pequeno estanque formado por um açude em que podemos tomar um fresco banho no meio da quentura desses dias tórridos que por vezes açoitam a região. Ou se preferir, converse com algum dos seus habitantes sobre histórias e estórias do contrabando, que tanto marcou a economia da região durante décadas.

 Foto 1. Igreja matriz.
 Foto 2. Lateral da igreja matriz. Veja-se a cúpula de tipo galaico.
 Foto 3. Vista da aldeia entre o Cimo da Vila e Caria. O bairro de Sameiro fica ao fundo.
 Foto 4. Casario tradicional da aldeia, com algumas casas de tipo galaico.
 Foto 5. Outra vista da aldeia.
 Foto 6. Rua do Valado.
 Foto 7. Paço de Vilar de Perdizes.
 Foto 8. Igreja e antigo hospital.
 Foto 9. Rua do Paço.
 Foto 10. Vista da aldeia da Av. Central.
 Foto 11. Av. Central e Travessa do Aluar.
 Foto 12. Ponte sobre o rio Porto de Rei, na estrada para a Xironda.

Foto 12+1 (não vá o Diabo tecê-las!). Parque de merendas e estanque sobre o rio.

Mapa 1. Mapa de situação.