domingo, 8 de março de 2009

Fronteiras: V. V. da Raia/Feces de Abaixo

Uma das fronteiras das que eu me lembro com mais saudades é esta, já que costumava passá-la em miúdo lá na década de setenta, quando ainda os controlos fronteiriços faziam parte do quotidiano, com passaporte ou salvo-condutos especiais válidos para 48 horas. Esta fronteira entre Vila Verde da Raia e Feces de Abaixo era (e continua a ser) uma fronteira muito transitada na região do Alto Tâmega, partida em dois pela fronteira, mas fazendo parte de uma unidade natural como é a bacia do Tâmega com as localidades de Chaves e Verín.

Lá vinham os galegos (ou outros espanhóis) com o intuito de comprar nos armazéns de Chaves: toalhas, loiças, bronzes, faqueiros, bebidas, etc., sem esquecer a indústria do móvel. Hoje esta atividade continua a ser importante, mas desde a apertura das fronteiras entrou em declínio pela progressiva equiparação de preços entre ambos os lados da fronteira. Mas isso não quer dizer que os contactos não se mantenham. O comércio continua a ser muito intenso, em um ou em outro sentido.

A fronteira é hoje um ponto de passagem obrigatória ainda, visto que a ligação da auto-estrada A 24 à espanhola A-52 ou Auto-estrada das Rias Baixas, porém, não foi concluida, isto é, o que vai ser a futura A-75, cujas obras estão já em curso. Os cafés da fronteira andam a lucrar, sobre tudo aos Domingos à tarde ou nos feriados, com os trabalhadores portugueses que se deslocam aos seus empregos na construção civil na Galiza ou até mais longe como as Astúrias ou Leão. Lá toman o seu último gole da bica ou da imperial antes de pôr rumbo aos seus lugares de destino. Estes movimentos pendulares são, aliás, muito frequentes no Norte, onde é normal vermos carrinhas com matrículas espanholas ou portuguesas indistintamente levando os trabalhadores aos finais de semana para casa, as Sextas-feiras, voltando aos Domingos à tarde para começar Segunda-feira de manhazinha cedo.

Para além destas "estórias", há uma intensa colaboração transfronteiriça que se tem concretizado na Eurocidade Chaves-Verín com o intuito de aproveitar as sinérgias existentes entre ambas as cidades. Nesse sentido cabe entender a construção da Plataforma Logística , o Mercado Abastecedor e o Parque Empresarial à beira do Tâmega, junto de uma saída da auto-estrada A 24 na linha de fronteira. Sobre este interessante projecto, pode-se encontrar informação em português aqui e em galego aqui nos sites das respectivas câmaras municipais. Um projecto que, sem dúvida, mostra que a vontade de entendimento e de somar esforços não entende de limites, mas se estende além fronteiras.


Foto 1. Fronteira e alfândega de Vila Verde da Raia.
Foto 2. Fronteira e alfândega (aduana) de Feces de Abaixo (Galiza).
Foto 3. Em terra de ninguém...


Ver mapa maior

Mapa 1. Mapa de situação de ambas as alfândegas.

12 comentários:

  1. La nueva autovía A-24 es una maravilla que permite viajar muchísimo más rápido que antes. En enero fuí a Porto y me soprprendió lo poco que tardé desde la antigua frontera.
    Aunque probablemente en Chaves no guste que la autovía pase algo separada de la ciudad y por esto pierda visitantes y posibles compradores.

    ResponderEliminar
  2. Te enlazo una web intersante para viajar por Portugal de un paisano mío, útil sobre todo para los españoles.

    http://todoportugal.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. Sí, es cierto. La A 24 es una autopista que te pone en Porto en poco tiempo, sobre todo si se coge luego la A 7 entre Vila Pouca de Aguiar y Vila do Conde. También llegas a Viseu muy rápido. Ya era hora porque las carreteras de antes eran insufribles.

    Por cierto, gracias por el enlace al blog.

    Obrigado!

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  6. Fiz uma viagem e atravessei de carro esta fronteira em 2003. Fiz uma busca hoje por Feces de Abaixo e aqui caí. Muito legal o post. Parabéns

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  8. El que luego sería ponente del "Caso Crillon".....¿Considerado "niño repipi" en el Verín de los años 40?

    ResponderEliminar
  9. Ya está abierta la autovía desde Verín a la frontera????

    ResponderEliminar
  10. Sí, la autopista A-75 está abierta desde finales de junio, por lo que ya es posible ir desde la A-52 (Autoestrada das Rías Baixas) hasta la A24/IP3 portuguesa enteramente por autopista. Un gran logro en las comunicaciones, sin duda.

    ResponderEliminar
  11. antón troitiño lópez.....¿habrá cruzado la frontera?

    ResponderEliminar
  12. Em Outubro de 1970, parti de Portugal de "a salto". Apenas tenho a recordação de depois de Chaves, termos parado o carro e depois de algumas horas ter chegado a Feces de Abaixo.Alguns dos meus amigos tambèm fizeram mais tarde este caminho e decidimos voltar a fazer o mesmo trajeto como recordação da nossa aventura que nos levou a terras de França. Alguém nos poderá ajudar com algumas informações aonde começava o trilho depois de Chaves.Desde já agradeço a vossa disponibilidade..José Torres

    ResponderEliminar